A Química do Organismo Vivo

A Química do Organismo Vivo
28 de janeiro de 2010 AlexKB

O Organismo humano é construído por células, órgãos e sistemas.

Além destas estruturas são encontradas inúmeras substâncias que se dispõem nas variadas estruturas celulares e são subdivididas em:
  1. Substâncias Orgânicas
  2. Ácidos nuclêicos (DNA e RNA)
  3. Proteínas
  4. Lipídeos (óleos, cera e gorduras)
  5. Hidratantes de carbono (açucares)
  6. Vitaminas
  7. Hormônios
  8. Substâncias Inorgânicas
  9. Água
  10. Sais Minerais
Substâncias Orgânicas
Ácidos Nuclêicos: são os ácidos DNA e RNA que participam do processo de síntese de proteínas e de transmissão das características hereditárias.
Proteínas: constituem a estrutura da matéria viva, atuam como anticorpos e enzimas.
Lipídeos: representam a reserva energética do ser vivo atuando ainda como elemento da estrutura celular, lubrificante da pele, isolante térmico, amortecedor contra choques térmicos.
Hidratos de Carbono: é a principal fonte de energia para o organismo vivo porque forma o ATP (adenosina trifosfato).
Vitaminas: são reguladores de numerosos processos bioquímicos e dependendo do tipo de vitamina a sua atuação fisiológica se diferencia.
A vitamina A, por exemplo, atua na manutenção da integridade dos tecidos, a vitamina E, desempenha o papel de antioxidante, a vitamina C auxilia nos processos de recuperação de infeções.
Hormônios: são substâncias produzidas pelas glândulas endócrinas e tem atuação em diversos setores do organismo sendo transportados através da corrente circulatória.
Substâncias Inorgânicas
Água: é o constituinte mais abundante do organismo vivo representando 70% da composição estrutural.
Todas as reações químicas celulares ocorrem em presença da água. Entre outras funções a água auxilia na manutenção da temperatura corpórea atuando ainda como transporte de substâncias pelo organismo.
Sais Minerais: são substâncias que se apresentam na célula sob a forma de íons Cl-, Na+, Fe++, Mg++, Ca++. Participam de diversas reações bioquímicas intracelulares influenciando na pressão osmótica onde também há intervenção da água.
A Nutrição das Células

Representações esquemáticas da membrana celular

a) reconstrução tridimensional


b) seção transversal. Observa-se em particular a presença de um poro.

As células são estruturas microscópicas que tem como composição básica a presença de membrana celular, citoplasma e organelas citoplasmáticas e núcleo.
A membrana celular é o revestimento da célula que dá proteção aos constituintes intracelulares, permite a entrada e saída de substâncias para dentro e fora das células através de processos como osmose, transporte ativo, fagocitose e pinocitose.
A nutrição das células envolve todos estes mecanismos sendo por esse motivo que dizemos que a membrana celular é semi-permeável à entrada e saída de água, eletrólitos e de algumas micromoléculas. A membrana celular apresenta orifícios microscópicos chamados poros que permitem a passagem de partículas dependendo da sua dimensão. A este mecanismo damos o nome de permeabilidade seletiva.

A osmose é um processo onde há uma regulação através do gradiente de concentração no interior e no exterior da célula.

A fagocitose e a pinocitose são processos onde ocorre englobamento de partículas através da membrana celular. As moléculas grandes como as proteínas que tem alto peso molecular só conseguem atingir o interior das células através da fagocitose.

Fagocitose

Após a penetração para o interior das células as partículas, os íons e os líquidos são digeridos através dos lisossomos que são estruturas ricas em enzimas digestivas. Após a digestão que consiste na quebra de substâncias em moléculas ocorre um reaproveitamento destas moléculas na síntese de novas estruturas moleculares pela própria célula.

Regulação de Líquidos nos Espaços Intersticiais

A regulação do volume dos líquidos é realizada em conjunto com os capilares sangüíneos e linfáticos.
Os capilares linfáticos podem se abrir permitindo a entrada e a saída de líquidos e de macromoléculas para os espaços intersticiais o que auxilia a remoção ou o fornecimento da linfa.
Como os capilares linfáticos são providos de válvulas que impedem o refluxo da linfa observamos que a direção do trânsito linfático é um só.
Quando há maior concentração de líquidos nos espaços intersticiais, pode haver uma reabsorção pelos capilares linfáticos.
O aumento da quantidade do plasma sangüíneo faz com que haja também um aumento do volume dos líquidos filtrados a nível renal. Quando existe a necessidade de um controle para equilibrar a quantidade ideal de líquidos no organismo observamos que há participação de diversas estruturas pertencentes aos sistemas circulatório e excretor como rins, coração condutos sangüíneos e linfáticos (veias, artérias, capilares), gânglios linfáticos.


Aparelho circulatório