Acne

Acne
28 de janeiro de 2010 AlexKB

Akhne – Palavra de origem grega = eflorescência (erupção da pele) na superfície do corpo.

  • Patologia dermatológica benigna
  • Pode ser com ou sem inflamação

  • Acomete folículos pilosebáceos
  • Resulta bloqueio de secreção

  • Acne: Denominação genérica de várias doenças da pele, provenientes de inflamação das glândulas sebáceas. Doença da pele caracterizada por espinha comprometendo a face, as regiões anteriores e posteriores do tórax. Áreas anatômicas ricas em glândulas sebáceas, originando-se por uma alteração no processo de queratinização da epiderme, com a deposição de lâminas e fragmentos de queratina dentro do infundíbulo folicular (que é a região mais superficial do folículo), dificultando a drenagem da secreção produzida pela glândula sebácea, que vai se acumulando no folículo, constituindo o comedão.
    O sebo é extremamente ácido, o que ajuda a corroer o tecido, forma uma espécie de rolha, que causa o processo inflamatório. Acne juvenil ou vulgar: Dermatose banal que começa por volta da puberdade e evolui por surtos, entre 12 e os 25 anos, desenvolvendo-se às custas do folículo pilosebáceo. Aparece principalmente nas peles seborréicas. Caracteriza-se pela presença de comedões (cravos), pápulas eritematosas, pústulas e nas formas mais graves, por cistos, abscessos e cicatrizes em graus variáveis. Acne Rosácea: Dermatose observada principalmente nas mulheres, entre 40 e 50 anos de idade, caracterizada pelo aparecimento de pápulo-pústulas sobre um fundo rosa difuso (eritrose) e acompanhada de teleangectasias. Costuma ocorrer em peles com característica seca. Comedão: Filamento seborréico do canal folicular, contaminado por germes e fungos. Produto da queratinização anormal que, associada ao sebo, forma uma massa no interior do canal pilosebáceo que acompanha o seu formato. Podemos chamar também, acne comedoniana ou de 1° grau. · As lesões do Acne são decorrentes da obstrução com ou sem inflamação dos folículos pilosebáceos, envolvendo os seguintes fatores. Origem da Patologia
  • aumento da secreção sebácea
  • hiperqueratinização com obstrução do folículo pilosebáceo – ceratose do folículo
  • retenção sebácea
  • alteração da flora bacteriana da pele – proliferação bacteriana, uma vez que a bactéria se alimenta do sebo
  • reação inflamatória local
  • fatores individuais
    • Aumento da secreção sebácea A composição química do sebo é constituída basicamente de uma mistura dos seguintes elementos: triglicérides, ácidos graxos e colesterol com seus ésteres e o esqualeno, cuja proporção varia de uma pessoa para outra.
      A secreção sebácea depende da ação dos hormônios androgênicos (testosterona – DHT) de origem gonadal e/ou, é por isso que na puberdade – período em que ocorre aumento repentino das gonadotrofinas da hipófise anterior e consequentemente elevação dos níveis de andrógenos circulantes e tissulares – observa-se a hipertrofia da glândula sebácea e o aumento de sua secreção. Clinicamente demonstra-se esta dependência androgênica mediante os seguintes dados objetivos: o acne é raro na puberdade, está ausente nos eunucos, se exacerba no período pré-menstrual e é frequente nas situações que aumentam os andrógenos circulantes (síndromes virilizantes, síndrome de Cushing e nas terapêuticas por andrógenos).
      Obs. Testosterona, hormônio masculino encontrado na mulher nas regiões dos ovários e supra-renal, e no homem, nos testículos e na supra-renal.
      Hipófise – principal glândula localizada dentro do cérebro, que controla todas as outras glândulas do organismo.

       

    • Hiperqueratinização com obstrução dos condutos pilosebáceos
      Nisto reside o mecanismo principal de formação dos comedões que podem ser abertos (cravos pretos) ou fechados (cravos brancos). Este distúrbio, que parece obedecer a uma influência genética ou a um defeito congênito, induz a uma hiperqueratinização na porção infra-infundibular do folículo pilosebáceo, cujo acúmulo de escamas aderentes obstrui a drenagem normal, preparando a formação do comedão. A influência genética explicaria o caracter familiar observado com frequência no acne vulgar.

       

    • Alteração e participação da flora bacteriana da pele
      Os principais microrganismos isolados da superfície cutânea e dos ductos pilosebáceos nos pacientes com acne são: os Propionibacterium acnes, Propionibacterium granulosun e propionibacterium avidum (difteróides anaeróbios), o Sthaphylococcus epidermides (coagulase negativo) e o Pityrosporum ovale (levedura). Destes, o primeiro é o mais importante na patogenia do acne, por possuir esterases com capacidade de hidrolisar os triglicérides das glândulas sebáceas, promovendo a liberação de ácidos graxos livres, cuja difusão pelos folículos pilossebáceos provoca irritação e inflamação. Os demais microrganismos apresentam também atividade lipolítica, porém em menor escala.

       

    • Reação inflamatória local
      Grau I : predominância de comedões sem reações inflamatórias.
      Grau II : predominam lesões pápulo-pustulosas com reações inflamatórias.
      Grau III : presença maior de nódulos, cistos, abscessos e intensa inflamação.
      Grau IV : presença de cicatrizes profundas; severa reação inflamatória e todas as lesões anteriormente citadas. Em alguns casos coexistem lesões queloidianas inestéticas e permanentes.
      Esta classificação é de grande importância para a conduta terapêutica, variável conforme o grau de comprometimento.
      Embora no acne vulgar a idade de comprometimento seja o período da adolescência, não é raro estender-se até os 30 anos ou mais, principalmente em mulheres.

       

    • Tratamento
    • História clínica : a mais completa possível a fim de detectarmos fatores agravantes observados, além de terapêuticas e condutas anteriormente utilizadas.
    • Adesão do paciente ao tratamento : analisar com cuidado este fator de extrema importância, pois é o que definirá a execução correta e a continuidade do tratamento. Encorajar o paciente a informar possíveis pioras do quadro clínico ou efeitos adversos aos medicamentos instituídos, evitando-se assim alterações, interrupções ou até abandono do tratamento. Isto transmite confiança e demonstra o domínio científico do quadro clínico.
    • Psicoterapia de apoio : se notarmos influência do acne no comportamento do paciente, é de grande importância um apoio psicológico para que este aprenda a conviver com a dermatose até seu controle total.
    • Fatores que podem piorar o acne :
    • O uso sistêmico de determinadas drogas, como a cianocobalamina, ácido paraminossalicílico, hidantoína, derivados halogenados (iodo, bromo, cloro), hormônios tireoidianos, hormônios com ação androgênica, e altas doses de corticosteróides por tempo prolongado.
    • O uso tópico de cosméticos pastosos, corticosteróides fluorados e sabonetes em excesso, manipulação indiscriminada da pele, como espremer as lesões.
    • Período pré-menstrual e/ou menstrual, havendo cólicas e irregularidade do ciclo, consideramos conveniente corrigi-las.
    • Alimentos tipo chocolate, gordura e carbohidratos, produtos do mar, refrigerantes tipo “cola” e bebidas alcoólica podem agravar um quadro já existente.
    • Tensão emocional : dados de observação revelam que estados de tensão emocional podem agravar o quadro clínico.
    • Fatores que podem melhorar o acne
    • Exposição aos raios solares ou aos raios ultravioleta: atua favoravelmente, quando moderada e gradativa, sobretudo para pessoas de pele clara. Explicar que a exposição excessiva e indiscriminada pode levar ao agravamento das lesões ( por um aumento da corneificação e da formação sebácea de comedões ; é o acne estival). Devemos lembrar que o uso de protetor solar e indispensável.
    • Limpeza de pele : pelo uso tópico de base ativa, ou pela extração manual de comedões, seguida por orientação da profissional esteticista.
    • Tais procedimentos devem ser iniciados de modo suave.

       

    • Terapêutica Medicamentosa
      Os medicamentos são selecionados, visando-se a redução e a prevenção da secreção sebácea e dos comedões, da flora bacteriana alterada, da reação inflamatória local, das cicatrizes. Geralmente os graus I e II podem ser tratados apenas com preparações tópicas. Os graus III e IV necessitam de terapêutica tópica e sistêmica.

       

    • Tratamento Tópico
      Sabonetes anti-sépticos, com ácido salicílico ou com peróxido de benzoíla. Lavar duas vezes ao dia. Dê preferencia a sabonetes líquidos. A atuação do peróxido de benzoíla no acne se deve a sua atividade comedolítica e sebostática que, levando a um ressecamento da pele, gera uma esfoliação leve a contínua. Atua também como antiinflamatório tópico, por ser um agente oxidante antibacteriano, o que permite reduzir o P. acne e a liberação de ácidos graxos livres na superfície cutânea. A bardana tem ação antiinflamatória, analgésica, bactericida, cicatrizante e adstringente. Contendo ainda um composto antibiótico, o tanino (adstringente) e fuquinona (clareia a pele).
      Temos ainda, ácido retinóico (tretinoína), ácido salicílico, antibióticos tópicos, ácido azelaico, antibióticos orais, minociclina, eritromicina, sulfas, retinóides orais, vitamina A lipossolúvel, corticosteróides, estrógenos e antiandrógenos. Alguns anticoncepcionais que não contenham progesterona, podem auxiliar no tratamento diminuindo o acne.

       

    • Métodos Físicos
      Pode-se utilizar o óleo de Melaleuca na pré-extração como analgésico junto com o emoliente.
      Extração de comedões e drenagem de cistos – Limpeza de pele; Luz ultravioleta, crioterapia (dióxido de carbono ou neve carbônica) , dermo-abrasão, dermo esfoliação – peeling.

       

    • Cuidados Básicos
    • Não cutucar, manipular a pele, pois o resultado será uma ruptura do saco folicular que contém a secreção sebácea em excesso, proveniente da glândula sebácea patológica e acneica. Em seguida, o sebo vai se espalhar pela derme subjacente, onde se comportará como corpo estranho, provocando uma reação inflamatória.
    • Vale a pena ressaltar, que o acne não e contagioso.
    • Evitar cabelos sobre a face, pois além de evitar uma respiração da pele, contém bactérias que podem contribuir no processo inflamatório.
    • Manter contato com um dermatologista e uma esteticista.
    • Procurar fazer a higienização da pele diariamente e utilizar os produtos adequados a seu tipo de pele de acordo com a recomendação do especialista.
    • Cuidado com exposição excessiva ao sol.
    • Procure manter uma boa alimentação e ingerir muita água.

       

    • O Papel da Vitamina C
      A vitamina C ou ácido ascórbico, está muito difundida na natureza. No mundo vegetal ela é encontrada no suco da laranja, suco do limão, acerola, no tomate, folhas de couve, etc.
      Na cosmetologia, o seu papel não é muito definido. Ela é empregada frequentemente para combater a hipotonia dos capilares, as vermelhidões difusas, como também, na forma de cremes nutritivos, para aumentar o potencial da redução de óxido e equilibrar globalmente o metabolismo final. E um anti-radical livre. Apresenta ação sinérgica com a vitamina E na proteção da membrana celular.
      A cosmetologia recorre logicamente a cremes vitamínicos “A” para os casos de cicatrização e também para favorecer os processos de substituição celular em tecidos afetados por atrofia devido à senilidade. Como a vitamina A (retinol) e utilizada em formulações cosméticas. E utilizada juntamente com as vitaminas E,D e C em formulações anti-envelhecimento. Sua forma acida e o acido retinóico ou tretinoina, utilizada como anti-rugas em preparações dermatológicas prescritas por médicos.

       

    • Montagem e etapas do tratamento do Acne
    • Limpeza – leite ou emulsão de pouco teor de oleosidade, tendo de estendê-lo ao colo e atrás das orelhas, remove-se o excesso com papel absorvente e esponjas umedecidas em água. Pode-se utilizar gel de limpeza calmante ou emulsão de limpeza de altheia.
    • Abrasivo – esfoliante suave; gomagem com calmante.
    • Em caso de inflamação, não esfoliar a pele.
    • Loção Tônica Adstringente sem álcool – remove restos do produto utilizado anteriormente e restaura o pH da pele. O adstringente e vasoconstritor, sendo que o álcool e vasodilatador.
    • Opcional – Utilizar o desencruste em pele seborréica ou comedônica, ou como opção, utiliza-se ácido glicólico a 30% ; espalhando e massageando por aproximadamente 2′. Limpar bem com algodão molhado em água.
    • Vapor com ozônio
    • Emoliência – compressas com gaze umedecidas em loção emoliente por 15′ (min), ou creme emoliente. Vapor sobre as compressas – não mais que 5 ‘- quando se tem uma pele muito inflamada ou pretende-se acelerar o processo.
    • Manipulação – remoção dos comedões e pústulas quando indicado. Proceder a extração, procurando retirar sempre os algodões aos poucos mantendo o calor local.
    • Loção Antisséptica. Aplicar imediatamente a loção antisséptica e cauterizar as lesões extraídas. Não esquecer da loção cicatrizante ou secativa apenas nas pústulas.
    • Loção Calmante. Deixar algodões embebidos em loção calmante sobre a pele por alguns minutos.
    • Alta Frequência – tem ação bactericida e cicatrizante. Existe a opção de utilização de alta frequência com fluido com oligoelementos( contem cobre, manganês, zinco e magnésio) fazendo a aplicação direta, sem afastamento e sem riscos, pois e utilizado em peles sensíveis.
    • Ionizável anti-acne – Fazer a ionização com o ionto anti-acne que devera ter a polaridade positiva, auxiliando ainda mais na ação bactericida e não sensibilizando a pele.
    • Máscara – de acordo com o tipo de pele: secativa, com propriedades calmantes; tensora, etc. Pode-se aplicar a mascara para pele acneica, cobrir com gaze e aplicar a mascara hidroplástica.
    • Finalização – limpar, secar, aplicar um hidratante com protetor solar; Vitamina C; Serum com FPS.
    • Uma cliente acneica deverá retornar em 2 ou 3 dias para dar continuidade ao tratamento.
    • É importante salientar que a sequência de tratamento depende muito de cada linha de produtos. A esteticista precisa conhecer bem os princípios ativos, escolher sua linha de preferencia e a forma de aplicação da mesma, nem que para isso ela faça um treinamento da linha a ser utilizada.

       

    • Observação
      Hoje podemos utilizar em qualquer limpeza de pele, ácidos à 30% ou 40%, que não causam ardor ou desconforto. Ele pode ser bem empregado numa hidratação, pois tem efeito estimulante, assim também como ajuda na retirada de pústulas, sendo bactericida; estimula a formação do colágeno. Pode ser utilizado por esteticistas. A hidratação é feita com NMF, uréia, acido glicólico em peles oleosas e com óleos essenciais em peles secas.

       

    • Classificação Universal do Acne
      1o Grau: Comedões abertos e fechados, sem processo inflamatório.
      2o Grau: Comedões e algumas regiões com pequenas pústulas e pápulas foliculares inflamatórias.
      3o Grau: Comedões, pápulas, pequenas pústulas e lesões inflamatórias mais profundas e persistentes (nódulos).
      4o Grau: Nódulos e cistos, com processo inflamatório e infecção secundária (às vezes com abscessos) e lesões cicatriciais com vários graus de gravidade.