Obesidade

Obesidade
28 de janeiro de 2010 AlexKB

DEFINIÇÃO
Obesidade é o estado em que há uma elevada relação entre a massa do tecido adiposo e a massa total do corpo, tendo como parâmetros os valores dessa relação em indivíduos considerados magros. Esses valores estão apresentados na tabela abaixo:

Idade (em anos)
Homem
Mulher
25
0,14
0,26
40
0,22
0,32
55
0,25
0,38

Esse valor é calculado pela divisão matemática entre a massa do tecido adiposo e a massa corporal total.
A massa do tecido adiposo é calculada por um método denominado por glicometria. Esse método é resultado de uma somatória de 4 valores obtidos das medidas das dobras de regiões corporais, que á aplicada em uma fórmula conhecida por Falkenner. Essa medida é feita de forma não invasiva por um aparelho graduado.

É feito um pinçamento na pele em 4 regiões: tricipital, subescapular, abdominal e supra ilíaca.
Esse método calcula a massa magra (correspondente às vísceras, músculos e ossos), a massa do tecido adiposo e a massa da gordura subcutânea.
Ainda para determinar se a pessoa é ou não obesa, é utilizado um método internacional, denominado por IMC:Índice de Massa Corpórea, que é calculado pela divisão matemática entre os valores da massa total em Kg. e a altura ao quadrado, em metros quadrados.

O valor obtido por essa fórmula é analisado de acordo com os parâmetros abaixo:

Esses testes são realizados para determinar se há ou não obesidade, pois o aumento de massa muscular e ao acúmulo de líquidos (edema), não constituem obesidade.

A obesidade é considerada uma doença pois, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) Saúde é “Estado de bem estar físico, mental e social“, e foi constatado que os obesos apresentam menor sobrevida e maiores taxas de morbidade e mortalidade, que uma pessoa considerada magra, mas isso não quer dizer que todo magro é saudável.

O que torna o obeso propenso à morbidade e mortalidade altas, é o maior acúmulo de lipídeos no tecido adiposo, acarretando no aparecimento de outras patologias associadas, como:

  • Cardiovasculares: Hipertensão Arterial, Infarto Agudo do Miocárdio, Acidente Vascular Cerebral (derrame), Coronariopatias;
  • Ortopédicas: artroses e gota, principalmente nas articulações do joelho, tornozelo e coluna;
  • Metabólicas: diabetes e dislipedemias;
  • Circulatórias: déficits do sistema circulatório;
  • Respiratórias: diminuição da ventilação alveolar e da capacidade vital, dispnéia;
  • Hepáticas: esteatoses, doenças vesiculares
  • Fadiga
  • Transtornos Psicoemocionais: ansiedade e depressão;
  • Maior risco em cirurgias;
  • Alta incidência de Câncer nos ovários, útero, seios, próstata e vesícula.

    Segundo uma pesquisa realizada pelo Prof. Philio Janies, do Instituto Rowett de pesquisa na Inglaterra, revelou que a cada ano nos Países mais desenvolvidos como EUA, Canadá e Europa, ocorrem 300.000 mortes a cada ano devido à obesidade.

    Estudos indicaram que a obesidade é considerada um problema de saúde pública, que vem crescendo a cada dia. Seu caráter é crônico e atinge criança e adultos. Segundo a OMS, a doença tem maior incidência entre as mulheres em quase todas as populações mundiais. As regiões onde ocorre maior acúmulo de lipídios na população feminina, estão ilustradas na figura abaixo.

    A) Região Trocantérica: sup. lat. da coxa, sup. medial da coxa
    B) Região Trocantérica: Lat. medial da coxa, reg. medial da coxa
    C) Região Trocantérica: lat. med. da coxa
    D) (face anterior) sup. mam., lat. mam., lat. post. do braço, sup. trapézio
    E) Região Escapular: post. lat. do braço, sup. trapézio (face posterior).

    Além dos problemas orgânicos, o obeso enfrenta vários inconvenientes e preconceitos sociais, como dificuldade para integrar o mercado de trabalho. Algumas pessoas afirmam que o obeso é responsável pela sua doença, como se ele próprio quisesse estar nesta situação.

    Foi realizada uma pesquisa sobre o estereótipo dos obesos, e o resultado é que ele é encarado pejorativamente como um comilão, preguiçoso, relaxado, mentiroso convicto, indisciplinado, pouco ativo, com problemas nas atividades sexuais, hipocondríaco, pouco higiênico, desajeitado e que falta muito ao trabalho por problemas de saúde.

    Como podemos ver o obeso é bastante discriminado pela sociedade, daí as dificuldades em conseguir emprego e outros inconvenientes. É possível que essas situação seja resultado do comportamento social atual em que vivemos: o culto ao corpo e à beleza. Hoje em dia fala-se muito em atividades físicas, tratamentos estéticos, cirurgias plásticas, emagrecimento e fórmulas para conseguir ficar em forma.

    Há casos em que a obesidade é muito grave, trazendo 70% a mais de fatores de risco. Esses casos são quando a pessoa possui IMC próximo de 40 Kg/m²e a doença é denominada por obesidade mórbida, e tem dez vezes mais chances de mortalidade em um indivíduo normal.

    Para esses casos, vem sendo realizada uma cirurgia que reduz o tamanho do estômago. É uma cirurgia muito complexa, na qual a pessoa passa a ingerir uma quantidade bem menor de alimentos, e recebe complementação de nutrientes via oral. É necessário acompanhamento de uma equipe multidisciplinar: médicos, fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos, tanto no pré quanto mo pós cirúrgico.

    CAUSAS
    As causas da obesidade são diversas e muito discutidas, e podem ser classificadas em:

  • Genéticas/ Hereditárias
  • Endócrinas
  • Neurológicas
  • Psicogênicas
  • Metabólicas
  • Nutricionais
  • Comportamentais (sedentarismo)

    Essas causas podem ser agravadas por fatores ambientais, profissionais, sociais, econômicos e culturais, os quais interferem diretamente na alimentação, hábitos e estilo de vida, principalmente nas populações das grandes metrópoles.

    Os fatores genéticos e hereditários podem levar o indivíduo à obesidade. Pesquisas comprovaram que grande porcentagem da população obesa possui pais ou parentes próximos com o mesmo problema. Foi realizado um relato científico sobre dois irmãos gêmeos obesos, que foram adotados por duas famílias diferentes, na Dinamarca, e mesmo em lares e hábitos de vida diferentes, desenvolveram a doença. (fonte: www.gastronet.com.br). A pessoa com predisposição familiar, deve estar atenta à alimentação, evitando alimentos com alto teor lipídico e açúcares.

    As causa endócrinas estão relacionadas com as disfunções das glândulas tireóide e supra-renais, que atuam no metabolismo, provocando distúrbios no peso corporal. Essas doenças devem ser diagnosticadas por um médico e receber tratamento medicamentoso adequado.

    As causas neurológicas podem estar associadas a um complexo processo relacionado com a motivação alimentar. Nossa saciedade é controlada por centros nervosos superiores e medular.

    Quando nos alimentamos ativamos alguns receptores que se encontram no estômago. Estes, enviam informações a uma região hipotalâmica denominada centro da saciedade. A saciedade também pode ser informada quando ocorre o metabolismo e a temperatura corporal e o nível de glicose aumentam, pois também possuímos receptores para esse tipo de situação.

    Sendo assim, é possível que a obesidade seja causada por disfunções desses receptores ou do centros medular e central. Estudos realizados em camundongos revelaram que lesões hipotalâmicas podem gerar o desenvolvimento da doença. Esse tipo de doença deve ser acompanhada por um médico e indicado o tratamento adequado.

    As causas psicológicas não são raras e podem estar relacionadas com alguma outra causa. Estudos indicaram que a bulimia (ato de comer compulsivamente) pode ser causada por uma “gratificação substitutiva de uma situação emocional intolerável”, segundo Paiva e Silva, 1994. Nesse caso deve ser realizado, além do acompanhamento médico, tratamento psicológico.

    As nutricionais e as comportamentais, estão relacionadas aos maus hábitos alimentares, alimentação não balanceada e ao sedentarismo, ocorrendo desequilíbrio entre a ingestão de muitas calorias e pouco gasto energético. Foi comprovado que a inclusão de atividades físicas na vida diária reduz o peso, pois o organismo necessita eliminar mais energia para exercer essas atividades, utilizando a reserva adiposa. Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física,. A pessoa deve consultar um médico que avaliará o condicionamento físico, as possíveis contra-indicações e a aptidão pessoal para a realização da atividade.

    Por outro lado, a prática de uma atividade física pode aumentar a necessidade de ingestão de alimentos, por isso, cada pessoa deve seguir uma alimentação balanceada, de acordo com sua necessidade, e com acompanhamento nutricional, evitando a deficiência de substâncias elementares.

    FISIOLOGIA DO TECIDO ADIPOSO
    MAS POR QUE OCORRE O AUMENTO DO TECIDO ADIPOSO COM TANTA FACILIDADE?
    Para responder a essa pergunta, vamos entender um pouco a fisiologia desse tecido.

    O tecido adiposo é um tecido conjuntivo composto por células adiposas que acumulam no interior de seus vacúolo, gorduras neutras, que geralmente ocupam quase toda a célula. Essa gordura é armazenada sob a forma de triglicerídeos. Estes, por sua vez, encontram-se envolvidos por uma fina camada de citoplasma, e localizam-se na região subcutânea e no interior de alguns órgãos, como o músculo.

    São utilizados como reserva energética para necessidades futuras, sendo que a energia utilizada para as atividades imediatas, é proveniente das reservas de proteínas e carboidratos. Sendo assim, a última reserva energética utilizada é a lipídica, em situações de trabalho intenso ou quando não estão disponíveis as outras reservas.

    Quando o organismo se depara com a necessidade de utilizar essa reserva lipídica, os triglicerídeos são degradados, por hidrólise, em ácidos graxos e glicerol. O glicerol é metabolizado no fígado e o ácido graxo é transportado para os tecidos onde é oxidado para a liberação de energia (Champe e Harvey).

    A oxidação total de 1 molécula de ácido graxo é 9 Kcal/g de gordura, contra 4 Kcal/g se a energia fosse proveniente das proteínas ou carboidratos.

    Por isso é mais difícil eliminar gordura, ou seja perder peso da massa gorda, e deixar de ser obeso.

    ALIMENTAÇÃO

    Essa ilustração tem o intuito de exemplificar como devemos nos alimentar para termos uma dieta equilibrada, não devendo ser seguida como fonte de cardápio ou dieta específica direcionada a alguma patologia ou mesmo para obesos. É importante estar atento que é apenas uma orientação geral, visto que cada pessoa possui necessidades nutricionais específicas.

    A pirâmide representa seis grupos de alimentos que devem constar no nosso cardápio diário, seguindo a quantidade indicada: maior quantidade de frutas, vegetais e carboidratos; média quantidade de proteína e mínima quantidade de açúcar e gordura.

    Os alimentos são divididos em três grupos: energético, construtor e regulador. A função de cada um está relacionado com o nome, sendo que o papel do energético é fornecer energia; o construtor, renovação e crescimento celulares, e o regulador é regular o funcionamento do intestino. Os tipos de alimentos e sua classificação estão ilustrados na tabela abaixo:

    Energéticos Construtores Reguladores
    Gorduras Proteinas Fibras Vegetais
    Carboidratos Vitaminas e Sais Minerais

    ENERGÉTICOS
    Gorduras: são substâncias utilizadas como fonte energética; como protetoras de órgãos, músculos, nervos e ossos contra traumas e como isolantes térmicos, conservando a temperatura corporal.
    Carboidratos: também são fornecedoras de energia e geradoras de glicose, substância muito utilizada pelo organismo para desempenhar desde atividades celulares até o funcionamento dos órgãos e trabalho muscular.

    CONSTRUTORES
    Proteínas: além de participar da renovação e crescimento celulares, participam da defesa do organismo e da síntese de hormônios, tecido corporal e enzimas fundamentais para o aproveitamento dos nutrientes provenientes dos alimentos.

    REGULADORES
    Fibras Vegetais: além de regular o funcionamento do intestino, favorece a limpeza dos dentes, aumento dos movimentos intestinais, prevenindo doenças como prisão de ventre e hemorróidas.
    Vitaminas e Sais Minerais: participam do metabolismo e auxiliam a absorção de nutrientes. As funções de cada vitamina estão ilustradas na tabela abaixo:

    Vitamina Fontes Alimentares Benefícios a Saúde Consequências da deficiência
    Lipossolúveis
    A Legumes Verdes e Verduras,
    Laticínios, Figado
    Componentes de pigmentos sensiveis
    à luz nos olhos, manutenção do tecido eptelial
    Cegueira noturna, Cegueira permanente,
    resecamento extremo da pele
    D Laticinios, Ovos, Óleo
    de Figado de bacalhau,
    Luz Ultra-Violeta
    Absorção de Cálcio, formação dos ossos. Raquitismo (deformação nos ossos).
    E Margarinas, Sementes,
    Verduras
    Protege os ácidos graxos
    e as membranas celulares da oxidação.
    Possivelmente anemia.
    K Verduras Coagulação do sangue. Coagulação.
    Hidrossolúveis
    Ácido fólico Alimentos a base trigo integral,
    legumes e Verduras
    Metabolismo do ácido nucléico. Anemia, diarréia.
    B1 (tiamina) Miúdos, carne suína,
    grãos, legumes.
    Metabolismo dos carboidratos,
    funções nervosas e cardiacas.
    Beribéri (enfrequecimento do coração,
    edemas, degeneração
    dos nervos e músculos).
    B2 (Riboflavina) Laticínios, Ovos,
    figado, grãos, legumes
    Laticínios, Ovos,
    figado, grãos, legumes
    Irritação ocular,
    inflamação e rompimento da pele.
    B2 (Nacina ou ácido nicótico) Figado , carnes magras,
    grãos, legumes
    Reações de oxirredução na
    respiração
    Pelagra (desordens gastrointestinais e na pele,
    inflamação nos nervos,
    disturbios mentais.)
    B5 (Ácido pantotênico) Laticínios, Ovos,
    figado, grãos, legumes
    Laticínios, Ovos,
    figado, grãos, legumes
    Fadiga e descoordenação.
    B6 (Piridoxina) Cereais integrais, legumes e verduras,
    carnes
    Metabolismo aminoácidos. Convulsões, irritabilidade,
    pedras nos rins.
    B12 (cobalamina) Carnes vermelhas, ovos,
    laticínios.
    Produção do ácido nucléico. Anemia perniciosa, distúrbios neurológicos.
    Biotina Carnes, legumes e verduras. Sintese de gorduras,
    e matabolismo dos aminoácidos
    Depressão, fadiga, náuseas
    C (Ácido ascórbico) Frutas citricas, verduras, tomates. Formação do colágeno nos dentes e nos ossos, e do
    tecido conjuntivo dos vasos sanguineos;
    provável auxiliar na resistência às infecções.
    Escorbuto (rompimento da pele,
    dos
    vasos sanguineos e dos dentes.

    Fonte: Encarta

    CONCLUSÃO
    De acordo com os dados apresentados, a obesidade deve ser encarada como uma doença e ser tratada com muita seriedade, analisando os sérios riscos de saúde acarretados por ela. Não existe tratamento milagroso, nem é saudável perder muitos quilos em pouco tempo. A pessoa que apresenta essa patologia, deve procurar um profissional da classe médica, e tratar-se, evitando as possíveis complicações. Toda pessoa, independente de ser ou não obeso, deve procurar seguir uma alimentação balanceada, praticar atividades físicas, a fim de conseguir uma vida saudável.

    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    1. ENCICLOPÉDIA MICROSOFT, ENCARTA, 1993-1999.
    2. ENCICLOPÉDIA MIRADOR INTERNACIONAL, Vol 15, São Paulo, Encyclopaedia Britanicca do Brasil, Publicações Ltda, p. 8177- 8179.
    3. PAIVA L. M.; SILVA A .M. A. P, Medicina Psicossomática, São .Paulo, Artes Médicas, 1994, cap. 37, p. 393-404 CHAMPE P. C.; HARVEY R. A . , Bioquímica Ilustrada,